domingo, 12 de outubro de 2008

Correr Descalço

Foto da Revista "ISTO É", em matéria da qual participamos.
Eu corro descalço desde 1987. Até então, aos trinta anos de idade, eu levava um vida sedentária, meio boêmio, roqueiro e violeiro, sem nunca ter praticado nenhuma atividade física regular. Pesando cerca de 16 quilos mais que hoje, mantinha um nível de pressão arterial e de glicose sempre elevados.

Porém, em março de 1987, quando houve a mudança da moeda brasileira que extinguiu o Cruzeiro e adotou o Cruzado, o Departamento responsável pela conversão do Sistema de Contabilidade da empresa onde eu trabalhava em Belo Horizonte, entrou em colapso. Praticamente sozinho no meio do furacão, eu quase pirei. Foi tanta pressão que eu comecei a ter sintomas meio preocupantes em relação a aspectos cardiológicos e neurológicos. Pra me recuperar, os médicos da empresa me impuseram um severo regime de atividade física aeróbica. Foi quando tomei gosto pelas corridas!

Logo nas primeiras semanas de corrida eu deixei de usar tênis, por comodidade - pra não ter que lavá-los diariamente, pois o campo de futebol onde eu corria era de terra batida e muito poeirento. Daí, eu pensei: lavar o pé é mais fácil que lavar os tênis!


Ao longo dos anos preservei o hábito porque descobri que minha performance correndo descalço era cerca de 15% maior, tanto em termos de resistência quanto em velocidade. Hoje uso tênis eventualmente, apenas quando vou correr em pista muito aquecida pelo sol ou com pedregulhos. Contudo, apesar das críticas que sofri, sobretudo no começo, prefiro correr com meus pés no chão.   



Nós nascemos descalços


Todavia, a despeito de toda a polêmica sobre essa prática, a  minha convicção é 
que a condição normal do ser humano, tanto para correr quanto para andar, é descalço, pois só assim os mecanismos biológicos que formam o nosso sistema de locomoção podem funcionar naturalmente, livres da interferência de acessórios artificiais.
Participação na 15ª Meia Maratona
Internacional de Brasília - Abr/2014

Felizmente, esse entendimento não é mais uma exceção. Hoje em dia existem legiões de adeptos no mundo inteiro, além de profissionais médicos e fisioterapeutas que reconhecem as vantagens da corrida naturista.


Ora, não poderia ser diferente! A estrutura ortopédica e funcional do nosso sistema de locomoção se desenvolveu e se aperfeiçoou ao longo de milhões de anos, formando um conjunto mecânico perfeito! Seria muita ousadia acreditar que a indústria de calçados, por mais evoluída tecnologicamente que seja, pudesse ter desenvolvido produtos capazes de competir, melhorar ou, muito menos, superar a perfeição do conjunto ortopédico natural do ser humano.


Por outro lado, por mais que os calçados sejam necessários e convenientes à proteção dos pés, não deixam de ser acessórios artificiais que, de alguma forma, interferem na altura da pisada e nas dimensões naturais do passo, afetando a forma de andar de cada pessoa. Em razão disso, uma vez que o calçado não é parte integrante do nosso mecanismo locomotor original, acabam por interceder negativamente em todo o sistema, seja nos músculos, seja nas demais estruturas do corpo, sobretudo na coluna vertebral, que é a estrutura mestra a sustentar o corpo.


Portanto, por mais que os fabricantes desenvolvam tênis especializados e tentem vender a ideia de que seus produtos diminuem o impacto, aumentam o impulso, etc, etc, na verdade eles estão apenas correndo atrás do prejuízo, buscando amenizar os danos impostos pelo uso desse calçado.


Por essas e outras razões, ainda que muitos profissionais médicos e ortopedistas defendam o contrário, eu não vejo qualquer risco em correr ou andar descalço, além de pedrinhas, espinhos, cacos de vidro ou pavimentação muito aquecida pelo sol, que podem muito facilmente ser evitadas.

Participação na Meia Maratona
Internacional do Rio de Janeiro - Jul/2014


Pé no chão não faz mal


Acredito que o senso comum, segundo o qual o uso de tênis é indispensável, sobretudo nos esportes, é resultado de uma ação de marketing muito intensa, que vem há décadas convencendo a opinião pública e a comunidade médica, mas a a real motivação é vender tênis e sustentar o bilionário mercado calçadista ao redor do mundo.


No entanto, não vejo razão para preocupação em relação a efeitos nocivos decorrentes da prática de corridas descalço. Pelo contrário, eu me arriscaria a sugerir que eventuais problema de coluna podem ser, no mínimo, amenizados com caminhadas e corridas descalço. Não só pelo reforço e condicionamento dos músculos que auxiliam a estrutura óssea na sustentação do corpo, mas também pelo fato de que esse tipo de atividade não impõe nenhum esforço extra de adaptação para compensar a alteração provocada pela sola e pelo salto do calçado.


É comum me perguntarem sobre como e quando começar essa prática. Embora não haja segredo algum, eu recomendo começar aos poucos, primeiro pela grama, areia ou terra batida e, em poucos dias, pode enfrentar pistas de cimento ou asfalto, numa boa. Essa prática gradativa visa muito mais a uma adaptação psicológica do que a um condicionamento da sola do pé, que, por natureza, já tem um couro muito resistente. Entretanto, se você tiver uma pisada torcida ou deslizante, isso poderá causar bolhas e deve ser corrigido.


Às mulheres, obviamente, vale alertar que a limpeza do pé e das unhas ficará um pouco mais trabalhosa. Porém, a pele da sola do pé permanecerá lisa e macia ao tato.



É importante também observar que as pistas molhadas deixam a pele fragilizada, pois a umidade amolece e deixa o tecido mais flácido e mais vulnerável. Por isso, até mesmo quando for correr depois de ter passado um longo período de tempo calçado e com o pé suado, é melhor dar um tempo para secar a sola dos pés.



PESQUISA:


I - Tênis: Pesquisas e Desenvolvimento nos anos 90.

Nos anos 90 a Nike e Adidas, as duas maiores fabricantes mundiais de tênis buscavam, simultaneamente, desenvolver o melhor tênis para corrida. Porém ambas adotaram enfoques divergentes nos respectivos projetos:

1. A Nike apostou na tese de que o tênis deveria exercer uma função ativa em relação à performance do atleta. Assim, investiu em dispositivos que absorvessem o impacto do pé ao tocar o piso e que, em seguida, oferecesse uma propulsão suplementar à passada, impulsionando o corpo do atleta.

2. Por outro lado, os engenheiros da Adidas acreditavam que o tênis deveria oferecer unicamente a proteção e segurança necessárias à planta dos pés e, sobretudo, conforto e, nessa linha, buscou-se desenvolver um tênis que provocasse a menor interferência possível no funcionamento natural do pé e das articulações, permitindo que o atleta se submetesse exclusivamente aos efeitos naturais decorrentes da concepção anatômica original do corpo.

Ambas as empresas investiram milhões de dólares e recrutaram os melhores profissionais das mais diversas áreas, dentre os quais renomados engenheiros de produtos, engenheiros de materiais, médicos, fisioterapeutas, dentre outros, todos dedicados à pesquisa tecnológica, testaram seus produtos acompanhando a evolução e o comportamento de dezenas de atletas em todo o mundo, ao longo de vários anos.

Segundo a reportagem do "Discovery Channel" que documentou as pesquisas, levada ao ar naquela ocasião, as diferenças de performance entre os atletas que usavam tênis Nike e os que usavam tênis Adidas, medida ao longo de três olimpíadas consecutivas, foi insignificante. Contudo, no cômputo geral de medalhas, houve pequena vantagem dos atletas patrocinados pela Adidas, que apostou na segunda tese.

Esse resultado sustenta uma dedução lógica, segundo a qual, por mais tecnologia que possa apresentar, o tênis não oferece nenhuma vantagem prática à performance do atleta. Portanto, na escolha do modelo de tênis ideal, procure apenas aquele que ofereça boa proteção aos pés, com conforto. No máximo, busque modelos que ofereçam uma adequação às peculiaridades anatômicas da pisada de cada um.


II - Atletismo: Fatos relacionados:
Abebe Bikila: O maior maratonista
de todos os tempos.

1) Abebe Bikila, reconhecido como o maior maratonista de todos os tempos, "o vingador etíope", venceu as Olimpíadas de 1960, em Roma, correndo descalço como sempre fazia. Contratado por patrocinadores e fabricantes de artigos esportivos passou a treinar usando tênis e, apesar de vencer em Tóquio quatro anos depois, se tornando o primeiro atleta da história a vencer duas maratonas, teve a performance comprometida, a partir de então, devido a desgastes nas articulações e uma fissura na perna direita que muitos teóricos associam à tentativa de adaptação ao tênis. Na sua terceira participação olímpica, (México/1968), foi forçado a abandonar a prova no quilômetro 17, por causa de danos nas articulações, teoricamente provocadas pelo desalinhamento ortopédico decorrente do uso de tênis.

2) Serafim Martins, atleta caparicano (da Costa da Caparica), foi campeão nacional olímpico em 1913 e, nesse mesmo ano, venceu no Velódromo de Palhavã as provas de 5.000 metros e de 10.000 metros. No ano seguinte, venceu da Maratona de 42.800 metros, em Lisboa. Apesar de insistentes apelos de patrocinadores realizou todas essas provas correndo descalço.


III - Frases e Teses:

"Não estamos dizendo para as pessoas correrem descalças. O que quero dizer é que nenhuma sola especial controla o impacto, porque não são inteligentes como a sola do pé".
(Alberto Carlos Amadio, Pós-doutorado e Livre Docente em Biomecânica e Educação Física da USP, após concluir pesquisa na qual estudou as quatro principais marcas de tênis do mercado (Nike, Asics, Topper e Rainha) e não identificar nenhuma vantagem em relação ao rendimento do atleta, tampouco à saúde do pé).

"O pé é anatomicamente adaptado para andar e para correr descalço. O tênis, assim como qualquer outro acessório ou, até mesmo, prótese, requer adaptação para ser utilizado sem prejuízo à saúde".
(Dra. Mariana Ferreira, pesquisadora autora de estudos sobre a anatomia e saúde do pé (Universidade Estadual de Santa Catarina).

"Muitas dessas propagandas são enganosas. Algumas marcas chegam a anunciar simultaneamente o máximo de absorção de impacto e de propulsão. Acontece que são conceitos físicos antagônicos, ou seja, se houver o máximo de absorção não há propulsão".
(Júlio Cerca Serrão, pesquisador do laboratório e professor da Escola de Educação Física e Esportes, da USP, sobre a publicidade de tênis. Veja também: Desafie Seu Limite e CNPq).

"O aumento de altura dos calcanhares e da planta dos pés (decorrente do uso de calçados) provoca instabilidade e modificações no padrão normal de caminhar"
(H. H.Marrifield, da Texas Tech University, após pesquisa realizada em 1971).

---

Veja Matéria sobre o assunto publicada pela Revista ISTO É: Clique AQUI.
Visite a Página da B
arefootrunners - Capítulo Brasil.
Visite a minha Página do Facebook: Mato & Morro - Trilhas e Corridas.

---
Márcio Almeida (marciocc@gmail.com)

8 comentários:

Erik Neves disse...

Márcio, também eu sou de Brasília e corro descalço há 6 meses. Ontem eu consegui juntar 5 pessoas no parque da cidade e iniciamos um grupo de corrida descalça. Também abri um blog http://pe-lado.blogspot.com/
Entre em contato comigo no twitter, temos agitar a corrida descalça em Bsb!
@erikneves

Paulo César da Silva disse...

As empresas de tenis não vão ter a mínima vontade de tornar esta idéia um BUZZ.

Terence Carneiro disse...

Realmente não tem muita logica isso, basta observar que os tenis de corrida, ou seja, os que são usados nos dias das provas, são todos modelos bem simples, baixos, tipo sapatilha, o maximo que tem são os esporões para darem mais tração.

Os tais tenis com amortecimento e impulso sao vendidos como modelos de treino e modelos para o publico geral.

E quando se é criança, todos nós corremos descalços e nem por isso ficamos mais lentos ou mais rapidos que os outros colegas, ou tivemos lesoes nos pés.

Tem muita logica correr descalço, fora que é muito melhor, voce ter contato com o solo, ainda mais se for de terra, é uma sensação muito boa.

Vou roubar seu texto e colocar no meu site rsrsrs, com a devida citação, claro.

Anônimo disse...

sony ebook gift card http://audiobooksworld.co.uk/de/NAS-Colloquium-Auditory-Neuroscience-Development-Transduction-and-Integration/p223970/ professional dotnetnuke module programming ebook download [url=http://audiobooksworld.co.uk/de/L-P-D-Van-Den-Dries/m74056/]ebook download library[/url] t l charger free ebook
[url=http://audiobooksworld.co.uk/H-P-Lovecraft-Audiobook-Collection/p21266/][img]http://audiobooksworld.co.uk/image/2.gif[/img][/url]

Anônimo disse...

computer repair software training http://buyoem.co.uk/product-36615/Tube-Station-TV-3-3 book catalogue software [url=http://buyoem.co.uk/es/product-37368/Abexo-Defragmenter-Pro-Plus-5-0-Portable]shadow protect backup software[/url] payday loan store software
[url=http://buyoem.co.uk/es/product-24957/Adobe-Master-Collection-CS4-Mac]Adobe Master Collection CS4 [Mac] - Cheap Legal OEM Software, Software Sale, Download OEM[/url] dss transcription software
[url=http://buyoem.co.uk/fr/product-37100/Alabe-Reports-2-8][img]http://buyoem.co.uk/image/1.gif[/img][/url]

Anônimo disse...

Does your local health and fitness center assurance a complete refund if right
after six months you choose it just is just not doing
work in your case?

My blog: simply click the up coming web site

Anônimo disse...

I'm curious which blogging and site-building platform you might be using? I'm new
to blogging and have been thinking about using the Ning platform.
Do you think this is a good foundation to start with?
I would be very thankful if I could ask you some questions through e-mail so I can learn a bit more prior to getting started.
When you have some free time, please make sure to get in touch with me at:
johnnie-buckner@gmail.com. Thanks alot :)

My weblog ... quick backlinks ()

Márcio Almeida disse...

Queridos amigos e leitores,
Por equívoco o Google havia deletado esta postagem. Felizmente, diante do meu protesto, reativaram-na, porém, com um endereço diferente.
FOI DESATIVADO o endereço original http://marciocctg.blogspot.com.br/2009/08/correr-descalco.html
AGORA o endereço atual da postagem é http://marciocctg.blogspot.com.br/2008/10/correr-descalco.html